O projeto

Um curta/documentário “Candiota Natural – Sociedade, cultura e ambiente” realizado na região da campanha no Rio Grande do Sul.

 Produção que objetiva o resgate cultural do município de Candiota, integrando sociedade, cultura e ambiente para revelar historias de um lugar belo e diverso,  pouco conhecido por suas belezas naturais.  Durante todo o trabalho serão publicados neste blog, textos, fotos e vídeos sobre sua realização.

Contará com o apoio de órgãos públicos, empresas e população para ser realizado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Justificativa:

Gerar um documentário de cunho socioambiental com o objetivo de informar, conscientizar e resgatar valores culturais que auxiliem na preservação da natureza remanescente no município de Candiota, a qual ainda é desconhecida pela população da cidade, bem como incentive ações de conservação  ambiental na região da campanha do estado do RS.

Objetivos:

  • Produzir material com caráter didático, técnico e pedagógico a ser utilizado pela rede de ensino;
  • Coletar imagens em vídeo e fotos a campo;
  • Salientar o potencial local para a atividade turística;
  • Valorizar a autoestima do cidadão Candiotense;
  • Registrar comportamento animal com valor científico;

Caracterização Regional:

O nome Candiota origina-se do séc. XVIII, época em que povos migrantes da ilha de Cândia (também conhecida como Creta), batizaram o rio que corta a região como: Arroio Candiota. Foi elevado à categoria de Município e distrito, pela lei estadual no 9574, de 20-03-1992, encontrando-se atualmente em situação de pleno desenvolvimento na metade sul do estado e ocupando  uma posição de destaque no âmbito do Mercosul.

Localizada na região da Campanha e situada há cerca de 400 Km da capital gaúcha, Porto Alegre, sua área geográfica abrange mais de 900 Km2, onde reside uma população em contínuo aumento de densidade demográfica e economia, em razão dos grandes empreendimentos. Encontra-se a 220 m de altitude, limita-se ao norte com Bagé, a leste com Pinheiro Machado, a sudeste com Pedras Altas e a sudoeste com Aceguá (IBGE 2006).

A cidade possui quatro escolas de ensino fundamental, sendo três delas na Zona Rural, além de quatro escolas de educação infantil, o Centro de Reabilitação e Apoio (CRA) e A Casa do turno inverso. Todas estas instituições receberão cópias do DVD com o documentário.

A economia do Município é baseada na extração do carvão (CRM) e geração de energia (CGTEE). No entanto, também está se tornando referência na área da vitivinicultura, investimentos na bacia leiteira, cerâmica e produção de sementes agroecológicas.

Candiota situa-se na região fitoecológica de estepe e Floresta Estacional Semi-Decidual (INCRA). A região de estepe está localizada principalmente na depressão do Rio Ibicuí – Rio Negro. A paisagem encontra-se sob forte pressão antrópica devido aos impactos ambientais provenientes das atividades econômicas, como silvicultura, agricultura, pecuária extensiva e extração de carvão (SEMA, 2001). Também apresentando uma paisagem típica dos Campos Sulinos com coxilhas cortadas por mananciais que permitem a formação de florestas ribeirinhas, as quais exercem uma série de serviços ecológicos em relação à proteção da água, da biodiversidade e das dinâmicas de estoque de carbono e gases do efeito estufa (GUNDERSEN et al., 2010).

Essa vegetação ribeirinha é composta por espécies que, em sua maioria, realizam a zoocoria (dispersão através de animais) como modo de dispersão do pólen, o que coloca estes ambientes na categoria de corredores ecológicos, tanto para a flora quanto para a fauna. Como destaques faunísticos menciona-se a paca (Cuniculus paca), mamífero ameaçado de extinção (LIVRO VERMELHO DO RIO GRANDE DO SUL) e as aves migratórias. Dentro das comunidades vegetais encontradas nestes ecossistemas destaca-se a ocorrência da família Myrtacea, que possui um alto índice de riqueza específica, o que a torna uma das famílias de plantas vasculares mais importantes na maioria das formações florestais. (GRESSLER et al., 2005).

A união dos fatores sociais, econômicos e ambientais presentes na cidade de Candiota formam um quadro que requer uma série de ações em conjunto, entre empresas, associações não governamentais e a população para alcançar a sustentabilidade em todos os aspectos. Nesse sentido, o Rastro deseja lançar sua contribuição, junto aos órgãos competentes, através da produção de um documentário, para alavancar melhorias em todas as áreas potenciais da cidade, como a ambiental, cultural e turística.

Plano de trabalho:

As atividades serão desenvolvidas no período de Setembro de 2012 até Abril 2013. O produto final consistirá em um documentário de aproximadamente 30 minutos. Sua realização abrange quatro meses de filmagens a campo em locais estratégicos definidos pela equipe técnica e de produção, além da realização de tomadas via embarcação e avião, ilustrando respectivamente, o interior das matas de galeria e a paisagem da região. O documentário será narrado e legendado em espanhol para facilitar sua distribuição em escolas uruguaias próximas à fronteira com o rio Grande do Sul, fortalecendo as relações dos países do Mercosul.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s